Archive for the 'Grandes momentos' Category

Porquê eu gosto tanto de Sonic and The Secret Rings? – Parte 2

Sonic Parte 2

Atendendo a pedidos (não, sério!), lanço a segunda parte do post passado, onde berrei que nem uma criancinha chorona que não gosto de ver as pessoas falando mal do Sonic and The Secret Rings.

Como o post passado foi inteiro disperdiçado com dedicado a um único argumento (a suposta [por mim] genialidade do level design que põe a fase contra você), e este acabou tomando proporções inimagináveis e só exprimíveis por meio de milhares de caracteres, retomo o raciocínio e apresento os argumentos menores (e menos importantes, mas ainda válidos), nesse post. E, credo, eu tenho que aprender a colocar pontos finais de vez em quando.

Bom, vamos a eles.

(Mas antes, um aviso: apesar dessa introdução estar curtinha, depois do link você vai encontrar um post múltiplas vezes maior do que o da primeira parte. É, eu sou um prolixo inveterado.)

Continue lendo ‘Porquê eu gosto tanto de Sonic and The Secret Rings? – Parte 2’

Anúncios

Vendo Pokémon Diamond e Zelda Twilight Princess (ou: O maior anúncio de classificados que você já viu)

Vendo estas duas magn�ficas experiências interativas
Aí está. Estou vendendo estes dois maravilhosos jogos. Ambos vão a R$100,00. Se achar que está caro, me mostre alguém vendendo por menos que a gente pode negociar.

Aceito trocas por outros jogos de DS, de Wii ou por clássicos do GameCube.

E lembre-se: não são apenas jogos. Tratam-se de experiências interativas eletroeletrônicas capazes de mudar a sua vida para melhor. Conjuntos de horas de entretenimento sublime e inesquecível. Possibilidades infinitas de relacionamento e estreitamento de laços entre amigos ou talvez até família. Diversão pura em formato de software.

Mas… se são tão bons assim, por que eu estou vendendo, então? Bom, dois jogos, dois motivos. E você vai ter que clicar no link a seguir para ler a história completa.

Continue lendo ‘Vendo Pokémon Diamond e Zelda Twilight Princess (ou: O maior anúncio de classificados que você já viu)’

O mundo é um lugar mais feliz: Sonic confirmado em Smash Bros. Brawl!

New Challenger Approaching! - Sonic

Eu ia incluir isso como um update no post abaixo quando percebi a burrada que ia fazer. Como assim?! Essa é a notícia que 80% dos fãs de Smash Bros estavam esperando desde que Solid Snake falou “Showtime!” com um engraçado sotaque japonês no surpreendente final do trailer que foi exibido na E3 2006! Vamos fazer de conta que você já não leu no título e repetir, só por ênfase:

Sonic The Hedgehog, o ouriço azul que corre além da velocidade do som, foi confirmado essa manhã como um dos lutadores de Super Smash Brothers Brawl! E mais: o sapato vermelho dele vai ir de encontro ao boné vermelho do Mario assim que eu pôr as mãos nesse jogo!

Sonic em Eldin Bridge

Talvez, apenas talvez, você não entenda o motivo da minha empolgação. Dê então uma boa olhada nas screenshots espalhadas pelo post. É o Sonic… em Eldin Bridge! É o Sonic… olhando feio pro Link! É o Sonic… entrando de sola do Mario! É o Sonic… pagando de B-Boy em Shadow Moses!

Sonic olhando feio pro Link

Qual é! Todo mundo tem que admitir que isso é a própria definição de “huge news”! Aquele joguinho potencialmente tosco que põe Mario e Sonic todos bonitinhos e amiguinhos pra disputar 100m rasos como se isso fosse a coisa mais normal do mundo não conta. Legal pelo contexto histórico, claro, mas seja sincero: você prefere os dois partindo para a porrada (ainda mais no hilariante e descontraído mundo de Smash Bros) ou vendo quem consegue atirar um peso em maior distância?

Quem me conhece sabe que apesar de respeitar todos os gamers e seus gostos, por mais diferentes que sejam dos meus, eu sou fã da Nintendo. Logo, seria de se esperar que eu gostasse mais do Mario do que do Sonic. Mas isso não acontece.

Primeiro, porque eu era “Seguista” na época de ouro dos 16 bits. Tinha o Mega Drive e achava ele bem melhor, apesar do SNES ter uma variedade maior de jogos. Mas o Mega Drive tinha vários que eu adorava, como ToeJam & Earl, Shadow Dancer, Road Rash… e claro, os Sonics. A verdade é que eu não conhecia direito o SNES, tanto é que, quando conheci, deixei de achar que o Mega era melhor. Afinal, ele não tinha Chrono Trigger, Yoshi’s Island, Super Metroid…

Sonic pagando de B-Boy em Shadow Moses

Mas, acima disso, eu sempre preferi o Sonic ao Mario, como personagem. Não estou falando dos jogos, porque aí sim o Mario seria campeão indiscutível na minha opinião. Os jogos do encanador são, em média, muito superiores aos do ouriço, ainda mais depois que o Dreamcast faliu. Mas como personagem, o Sonic é muito mais legal. Nos primóridos da minha pré-adolescência, quando essa tal de internet ainda era coisa nova pra mim e o hpG era a febre da molecada nerd, eu até tinha esse site chamado SonicGate (depois SonicGate Evolution), onde eu colocava artes, emuladores, roms, gifs animados, notícias e wallpapers que eu mesmo fazia no Photoshop 6. Pena que não existe mais.

Não sei… tudo no mundo do Mario é simpático, colorido, inofensivo, como um bom desenho que passa sábado de manhã (só que com mais cogumelos). Já o Sonic sempre foi mais hardcore. É difícil controlá-lo, ele exige mais dos teus reflexos. Apesar do mundo dele também ser colorido e cheio de bichinhos fofos (nenhum problema com isso), ele em si é mais bacana. Não sei explicar direito essa parte da minha preferência. O Mario é tipo um amigo que eu gostaria de ter. O Sonic (por mais bizarro que isso seja) se aproxima mais de um herói que eu queria ser.

Mas chega de papo abre-coração. O Sonic está lá, e no dia em que Super Smash Bros Brawl for lançado (a má notícia é que ele foi adiado de novo) eu te espero na WFC. Vou te acertar tão rápido que você só vai ver um borrão azul.

Sonic entrando de sola no Mario!
Não te dá um formigamento nos dedos só de ver isso?

E a NGamer Brasil chegou

Capa da Edição #1Depois de algumas semanas de espera e alguns dias de “bate-ponto” nas bancas, enfim consegui comprar a NGamer Brasil, a nova revista 100% Nintendo a chegar nas bancas do nosso país, pela Editora Europa.

Mesmo se ela fosse ruim (o que não é), já valeria a pena pelo simples fato de ser a volta do homem, a lenda, o mito, Eduardo Trivella em uma publicação Nintendo. Eu e grande parte dos gamers do Brasil conhecemos o Trivas (e o Pablo [Miyazawa] também, só pra constar) nos anos áureos da Nintendo World, quando Pokémon era febre e a gurizada se juntava nas locadoras pra curtir um multiplayer de GoldenEye 007 no Nintendo 64. Só o fato de ler o nome dessa lenda nas páginas de uma revista Nintendo de novo já vale, tranquilamente, os R$9,90. Ah, os previews de Conker’s Bad Fur Day e Metroid Prime

Mas deixando o saudosismo de lado, o que eu tenho a dizer é que a presença do Trivella na equipe não é, nem de longe, a única coisa bacana que a NGamer Brasil oferece. A partir de agora os fãs da Nintendo no Brasil têm algo inédito: opção.

Há duas revistas especializadas no país, cada uma com as suas forças e fraquezas. Como as da Nintendo World você provavelmente já conhece, vou falar do que eu gostei e do que eu não gostei na NGamer, por seção (já que eu tô com tempo).

Continue lendo ‘E a NGamer Brasil chegou’

Minha namorada

O amor é lindo como ganhar uma vida extraOlha, vou contar um negócio pra você: minha namorada é a melhor. Desculpa eu fazer inveja assim tão explicitamente, mas olha só como ela é foda.

  1. Me aguenta o tempo todo falando sobre jogos que ela nunca ouviu falar. (“Zack & Wiki?”, “Smash Bros?” — calma, eu vou apresentar Smash Bros pra ela. 😉 )
  2. Nem reclama quando eu passo algumas noites jogando Zelda. (Desde que não sejam todas as noites, claro.)
  3. Aprendeu a jogar Super Paper Mario (e tá se dando muito bem!) só porque eu disse que isso me deixaria orgulhoso.
  4. Sempre lê cada palavra do que eu escrevo nas revistas e no blog, nem que seja só pra elogiar ou comentar sobre o que eu escrevi.
  5. …e por aí vai.

De fato, este blog ou a minha “carreira” no jornalismo de games provavelmente nem existiriam se não fosse por ela. Quando eu cheguei aqui em SP, nem tinha muita idéia do que fazer. Eu tinha feito alguns meses de faculdade de jornalismo lá no RS, mas também nem sabia se eu tinha realmente gostado.

Na época em que a gente estava se conhecendo, eu nem comentava que gostava de videogame (mulheres geralmente associam isso a homens imaturos, por mais absurdo que seja), mas bateu bem com a época em que a Nintendo anunciou o Nintendo DS, um pouco depois da E3 de 2004. Eu me apaixonei de tal forma por aquele tal de DS que escrevi um post todo empolgado no meu único blog da época, o A Nível de Myself ainda no Blogger (quando eu descobri o WordPress, migrei o ANM pra cá também). Se tiver curiosidade, o post é este aqui. (Às vezes eu acho que escrevia melhor naquela época…)

Enfim, o caso é que ela leu esse post e ficou com a impressão de que eu me daria bem escrevendo sobre videogame. É claro que isso já tinha passado pela minha cabeça, mas eu nunca havia cogitado seriamente a possibilidade, até porque não tem como a pessoa ser jornalista de games no Rio Grande do Sul, onde não é feita nenhuma revista de games.

Já aqui em SP, um dia, ela comentou isso comigo e eu — claro — me animei. Aí fui lá na Futuro (Conrad, na época) e comecei a pentelhar o ilustríssimo Sr. Pablo Miyazawa. O resto é história.

Quer dizer, a idéia nem foi minha! Se hoje eu ganho algum dinheiro e tenho algum futuro nessa área, a “culpa” está dividida entre várias pessoas, sendo a minha parcela a menor delas. E a da Érika, claro, a maior.

E hoje, só pra coroar esse namoro com muitos continues, ela me deu um Classic Controler do Wii, acompanhado do sempre clássico Super Mario World.

Na boa, qualquer um queria uma namorada assim, né?

Classic to the bone
Prettiest thing ever

Continue lendo ‘Minha namorada’

Digo e provo: Super Paper Mario é fenomenal

Making of da capa da N+ MagazineSabe aqueles momentos em que você está na frente da TV, com um controle de videogame na mão, jogando, e aí passa um trecho do jogo no qual você pausa, dá um sorriso, e sabe que vai se lembrar dele por um bom tempo? Eu já falei de alguns deles aqui. Pois é, Super Paper Mario está cheio deles.

Desde a mecânica de enxergar em 3D aquilo que era pra ser em 2D e vice-versa, que nunca fica velha ou deixa de surpreender, até os usos discretos, porém certeiros, das capacidades de movimento do controle durante o acionamento dos itens, o jogo está lotado de boas idéias. Podem me chamar de nintendista (e aqui no blog eu meio que sou mesmo, foda-se), mas muitas delas eu acredito que só poderiam ser pensadas pela própria Nintendo. As third-parties simplesmente não têm tamanho envolvimento com o Wii Remote e a filosofia do Wii para pensar em coisas assim. Pelo menos até agora nenhuma provou ter (a Ubisoft apenas chegou perto, com Raving Rabbids).

Mas eu divago. Esse post é só um pretexto pra eu colar aqui um vídeo do trecho mais estupidamente animal pelo qual eu passei até agora. Teoricamente, ele até contém os temidos [[[SPOILERS!!!OMG]]], mas, sinceramente, é o tipo de spoiler que, quanto mais vezes você ver, melhor. Aproveite.

Pior que essa imagem meio que estraga a surpresa… ¬¬

PS.: Gostaram da imagem do cabeçalho? Coloquei também uns degradês nas partes azuis…ficou legal, né? Diga que sim.

Confirmado: Video Games Live volta ao Brasil em Setembro de 2007

Videogames Live LogoSabe aquelas newsletters que você nunca assina? Ou, mesmo quando assina, nunca lê quando chegam na sua inbox? Pois é… Não sei por que diabos eu fui resolver ler uma dessas que chegou hoje no meu email, com o título: Incredible week of announcements for Video Games Live!

Entre um monte de blábláblá sobre como o VGL anda fazendo sucesso por onde passa, havia uma tabela com datas das próximas apresentações. E olha o que eu vi nela:

Rio de Janeiro, Brazil September, 2007 TICKETS ON SALE MAY
Brasilia, Brazil September, 2007 TICKETS ON SALE MAY
São Paulo, Brazil September, 2007 TICKETS ON SALE MAY

Pra quem não entendeu, aí diz que em Setembro de 2007 (ou seja: daqui a seis meses, tempo suficiente pra você poupar uma grana), o VGL vai passar por São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília em três apresentações, cujos ingressos começam a ser vendidos em Maio.

Eu esperava mais lugares, pra ser sincero. No mínimo Porto Alegre e/ou Curitiba. Talvez algum na Bahia também. Porque eles mencionaram interesse nesses lugares quando vieram pra cá ano passado. Se bem que a apresentação do Rio em 2006 foi anunciada um tempo antes da de SP… o que significa que mais datas ainda podem ser anunciadas. É difícil, mas é uma possibilidade.

E sabe o que é mais legal? Eu dei uma olhada nos grandes sites de games brasileiros, e nenhum deles deu essa notícia ainda. Só o Overmundo deu a notícia antes. Mas como você muito provavelmente não lê o Overmundo… Você leu aqui no 16-BIT primeiro!

Ou isso, ou todo mundo já deu a notícia há muito tempo atrás e eu é que não vi. 😀

Então? Nos vemos lá?


Fabio Bracht's Facebook profile

Meus Outros Blogs

Add to Technorati Favorites



Browse Happy logo