Archive for the 'Meu Wii' Category

“O jogo que nasceu pro Wii, finalmente no Wii”

Amaterasu, o Deus Lobo fodão de OkamiA frase está entre aspas porque não fui eu quem disse, mas sim o Stan Lee nipo-brasileiro, Fabio Yabu. E refere-se mais uma das grandes notícias dessa semana bombástica: o fodástico Okami vai sair para o Wii!

Sejamos francos: o jogo tem cara de Nintendo. A jogabilidade é super parecida com Zelda, o gráfico tem aquele estilo artístico que muito deve ter se inspirado em Wind Waker e as vendas foram tão babacas que daria pra se pensar que era um jogo de GameCube. E aquele lance do pincel mágico? Perfeito para o Wii Remote!

Talvez por isso que desde o início da vida do Wii os fãs pedem para que Okami seja lançado para ele. Vários rumores já deram as caras dizendo que a tal versão estaria confirmada, mas justamente por esse desejo que o público manifestava, os rumores nunca eram críveis. “Desejo de fanboy”, diziam todos, e voltavam a confabular sobre Halo 3.

Mas agora é oficial. Conforme publicado ontem em todos os sites que cobrem games, Okami vai mesmo sair para o branquinho da Nintendo, na vaga data de “Spring 2008”, que seria lá pelo segundo trimestre do ano que vem. Com uma data tão distante, é impossível não se perguntar o que eles estarão aprontando em termos de extras. Só mudar a jogabilidade não deve ser tão demorado assim, certo? RE4 Wii, se não me engano, foi anunciado pouquíssimas semanas antes do lançamento.

Então o que será que podemos esperar em termos de extras? Eu não faço idéia. Por mim, só espero que eles consigam fazer os gráficos ficarem ainda mais bacanas do que no PS2. Fora isso, nem sei o que quero.

E outra pergunta que eu me faço: quem está trabalhando nele? O saudoso estúdio Clover, que fez a versão original, foi fechado (em parte justamente pelas fracas vendas do próprio Okami), então só resta algum outro estúdio da Capcom (o que não me inspiraria confiança) ou o estúdio Seeds, que foi fundado pelo pessoal que trabalhava na Clover e saiu fora quando fechou. Mas é muito improvável o pessoal do Seeds estar envolvido nisso… ou não? Sei lá.

Pouco antes de postar, fiquei sabendo que o estúdio que vai cuidar da produção é o Ready at Dawn, que já fez Daxter e agora está trabalhando em God of War: Chains of Olympus, ambos para o PSP. Trabalhar na adaptação do jogo estaria “de acordo com a nossa tradição de só fazer jogos que gostaríamos de jogar”. Bom? Acho que sim!

Enfim… perguntas demais, comemoração de menos! O que importa é que Okami finalmente vai sair pro Wii e eu finalmente vou terminá-lo (já que o do PS2 eu larguei antes da metade e até hoje não sei por quê). Viva!

Amaterasu está chegando
Amaterasu está chegando… de novo.

Anúncios

Avante, companheiros! Zack & Wiki navega em minha direção

Boxart Zack e Wiki

Sabe que no fim das contas o atraso do Smash Bros Brawl foi uma boa? Está saindo um caminhão de jogos legais esse fim de ano pro Wii, e eu estava cego de ansiedade por ele e pelo Mario Galaxy. Já tinha decidido comprar os dois e, como dinheiro e tempo não dão em árvores na minha vida, ia ficar por isso mesmo.

Como Brawl agora só vai rolar em fevereiro, abriu-se uma vaga no meu auto-presente duplo de natal. Subitamente, jogos como Batallion Wars 2, Zack & Wiki: Quest For Barbaros’ Treasure e até mesmo The Legend of Zelda: Phantom Hourglass entraram no meu radar. Qual escolher, oh, qual escolher? Qual você escolheria?

Acho que vou ficar com Zack & Wiki. Tenho quase certeza. Nem que seja só pra poder dizer “ei, eu fiz a minha parte” quando a Capcom resolver repetir o episódio Clover, fechando um estúdio que produziu um jogo diferente e original por este não ter vendido tão bem. Zack & Wiki tem tudo pra virar cult (meio que já é), e ficar inclusive difícil de achar daqui a alguns anos.

Batallion Wars, por outro lado, parece muito legal, mas ainda não me conquistou de verdade. E Zelda, bem… É pra DS. E eu realmente quero dar para os meus Wii Remotes nesse fim de ano a oportunidade de fazer mais coisas além de rebater bolas de tênis e serem chacoalhados como loucos em microgames de poucos segundos. Sem contar que não faz nem meio ano que eu terminei um Zelda! Melhor dar um tempo até eu ter realmente vontade de controlar Link de novo.

Outro motivo: tanto Galaxy quando Zack & Wiki têm uma característica importantíssima pra mim. Ambos são jogos projetados para oferecer desafio para os experientes e facilidade para os novatos — especificamente para a novata que eu tenho lá em casa. Os dois jogos possibilitam que, enquanto o jogador principal joga, uma segunda pessoa pegue um Wii Remote extra e ajude a primeira. Mario Galaxy vai me deixar coletar estrelas para a minha namorada e lançá-las nos inimigos para facilitar o trabalho dela, enquanto Zack & Wiki vai me deixar desenhar na tela para indicar pistas importantes para a resolução dos puzzles (que prometem ser bem cabeludos).

Ah, Novembro que não chega.

E você? Que presentes gamer vai se dar nesse fim de ano?

Zack & Wiki - Screenshot

Top 10: Atualizações que mais me empolgaram no Smash Bros Dojo!

Smash Bros Dojo - LogoBem típico da Nintendo: prometer um jogo para o lançamento de um console e só lançá-lo mais de um ano depois do prometido. Já aconteceu antes, e tornou a acontecer com Super Smash Bros. Brawl, o jogo mais esperado do Wii para todo mundo que não está tão ansioso assim por Super Mario Galaxy.

Pra aproveitar a magnitude desse lançamento (não nos esqueçamos que estamos falando da sequência do jogo mais vendido do falecido GameCube), a Nintendo resolveu, pra variar apenas dessa vez, não soltar as notícias grandes pouco a pouco, como quem controla com mão de ferro tudo o que nós podemos ou não ficar sabendo.

Em vez disso, foi contruído um site/blog e colocado na mão de Masahiro Sakurai, o ilustríssimo designer do lustroso joguinho. E melhor ainda: mesmo que seja uma mísera migalha, ele é obrigado a atualizar a bagaça todo santo dia (dizem que sob pena de ter que jogar duas horas de Escape From Bug Island). No fim das contas, ainda é uma forma de controlar com mão de ferro tudo o que nós podemos ficar ou não sabendo, mas pelo menos o volume é maior.

E eu, um qualquer que nem sequer jogou mais de dez minutos de Smash Bros Melee (é sério!), resolvi que quero entrar no hype e usar o centésimo texto do 16-BIT ara eleger as atualizações causadoras dos dez maiores sorrisos de ansiedade. Os dez dias que mais me fizeram querer que 3 de Dezembro chegue logo.

Bom, pelo menos eu joguei bastante do Super Smash Bros clássico do N64. De fato, a tonalidade branco-Boo da minha pele é em boa parte devida às tardes de praia que eu não saí de casa pra ficar jogando SSB com o meu primo. Bons tempos…

Agora que eu já consegui enfiar no texto os nome sde todos os jogos da série Smash Bros, vamos à lista, por ordem de data que foram postadas.

Continue lendo ‘Top 10: Atualizações que mais me empolgaram no Smash Bros Dojo!’

Minha namorada

O amor é lindo como ganhar uma vida extraOlha, vou contar um negócio pra você: minha namorada é a melhor. Desculpa eu fazer inveja assim tão explicitamente, mas olha só como ela é foda.

  1. Me aguenta o tempo todo falando sobre jogos que ela nunca ouviu falar. (“Zack & Wiki?”, “Smash Bros?” — calma, eu vou apresentar Smash Bros pra ela. 😉 )
  2. Nem reclama quando eu passo algumas noites jogando Zelda. (Desde que não sejam todas as noites, claro.)
  3. Aprendeu a jogar Super Paper Mario (e tá se dando muito bem!) só porque eu disse que isso me deixaria orgulhoso.
  4. Sempre lê cada palavra do que eu escrevo nas revistas e no blog, nem que seja só pra elogiar ou comentar sobre o que eu escrevi.
  5. …e por aí vai.

De fato, este blog ou a minha “carreira” no jornalismo de games provavelmente nem existiriam se não fosse por ela. Quando eu cheguei aqui em SP, nem tinha muita idéia do que fazer. Eu tinha feito alguns meses de faculdade de jornalismo lá no RS, mas também nem sabia se eu tinha realmente gostado.

Na época em que a gente estava se conhecendo, eu nem comentava que gostava de videogame (mulheres geralmente associam isso a homens imaturos, por mais absurdo que seja), mas bateu bem com a época em que a Nintendo anunciou o Nintendo DS, um pouco depois da E3 de 2004. Eu me apaixonei de tal forma por aquele tal de DS que escrevi um post todo empolgado no meu único blog da época, o A Nível de Myself ainda no Blogger (quando eu descobri o WordPress, migrei o ANM pra cá também). Se tiver curiosidade, o post é este aqui. (Às vezes eu acho que escrevia melhor naquela época…)

Enfim, o caso é que ela leu esse post e ficou com a impressão de que eu me daria bem escrevendo sobre videogame. É claro que isso já tinha passado pela minha cabeça, mas eu nunca havia cogitado seriamente a possibilidade, até porque não tem como a pessoa ser jornalista de games no Rio Grande do Sul, onde não é feita nenhuma revista de games.

Já aqui em SP, um dia, ela comentou isso comigo e eu — claro — me animei. Aí fui lá na Futuro (Conrad, na época) e comecei a pentelhar o ilustríssimo Sr. Pablo Miyazawa. O resto é história.

Quer dizer, a idéia nem foi minha! Se hoje eu ganho algum dinheiro e tenho algum futuro nessa área, a “culpa” está dividida entre várias pessoas, sendo a minha parcela a menor delas. E a da Érika, claro, a maior.

E hoje, só pra coroar esse namoro com muitos continues, ela me deu um Classic Controler do Wii, acompanhado do sempre clássico Super Mario World.

Na boa, qualquer um queria uma namorada assim, né?

Classic to the bone
Prettiest thing ever

Continue lendo ‘Minha namorada’

Um post que era pra ser pequeno mas ficou grande

lef.jpg

Tem razão, Lef. Mil desculpas.

Mas vocês entendem, né? Faz pouco mais de uma semana que eu comprei o meu desejado Wii, e justamente nessa semana eu fui literalmente entupido de serviço (o que é bom, já que eu preciso de grana pra pagar as 12x sem juros da máquina). Só me sobra um tempo no fim da noite, e aí o que eu vou fazer? Escrever no blog ou jogar mais uma horinha de Zelda? É, vocês entendem.

* * *VodPod

Pelo menos eu tô adicionando videozinhos regularmente no VodPod do 16-BIT. Vocês já viram, já conheceram e já fuçaram? Se não, eu vou aproveitar pra dar uma explicada. Trata-se de um site onde você (sim, você!) pode adicionar todos os seus vídeos favoritos, não apenas do YouTube, mas de qualquer site de vídeos. O site alaradeia dezenas de utilidades pra isso, mas na prática é apenas uma maneira bacana, moderna e funcional de separar os seus vídeos favoritos.

Essa barrinha que vocês vêem aqui à direita nada mais é do que uma janela para expor os últimos vídeos que eu adicionei. Você pode simplesmente clicar em um deles e assistir aqui mesmo, sem sair do blog, mas se você for lá na página do VodPod mesmo (clicando no “16-BIT” ou no “See more videos” no painel, também pode comentar, dar notas, ler a descrição completa de cada vídeo e dizer o que achou deles.

Hoje eu coloquei um vídeo que eu não parei de assistir hoje. Tá em itálico porque é verdade. Eu devo ter assistido mais de 10 vezes. Aí procurei no Google e achei um lugar pra baixar o vídeo, a mp3 e ainda um monte de imagenzinhas. É meio boiola? Talvez. Tem alguma coisa a ver com o meu gosto musical? Absolutamente nada. Mas tem algo que não me deixa parar de considerar essa uma das melhores músicas e um dos melhores clipes que eu já vi até hoje.

Será que a opinião do Yabu me influencia tanto assim?

E agora, assim que clicar em “Publicar” esse post, vou incluir mais um vídeo. Mas já adianto que é 100% estúpido, inútil e sem noção. Assista por conta e risco, depois culpe a minha felicidade por ter adquirido um Wii.

* * *

zelda.jpgPor falar nisso, os gráficos do Zelda são lindos. As texturas podem não ser grande coisa e os cenários podem ter algumas arestas muito quadradas, como na época do Nintendo 64, mas eu ainda tô pagando pra ver o GameCube fazer aquela água e aquele ambiente “lava/fogo/tá-muito-quente-aqui” das Goron Mines. A Nintendo jura de pé junto que a parte gráfica é 100% idêntica nos dois consoles, mas eu quero ver pra crer.

Outra coisa que eu tenho pra falar sobre o Zelda (pequeno, quase insignificante spoiler a seguir): eu sei que eu só preciso dar uma mexidinha no pulso para o Link dar uma espadada, e normalmente eu só faço isso mesmo, mas quando um monstro safado entra em Kakariko Village, montado num maldito javali anabolizado, e captura o meu amigo Colin só porque ele tentou salvar a amiguinha dele de ser atropelada… aí não tem jeito. Eu dou espadada com vontade mesmo. Até esqueço que estou jogando e entro de cabeça na história. Tá aí um ótimo exemplo de imersão que nenhum outro videogame consegue proporcionar.

* * *

Já que antes eu tava falando de GameCube, aproveito pra emendar: ninguém tem um controle e/ou Memory Card de GC pra me vender por um preço super camarada? Eu publico uma homenagem aqui no blog se aparecer alguém. 🙂

gc_controller.jpg
Eu quero um desses


Fabio Bracht's Facebook profile

Meus Outros Blogs

Add to Technorati Favorites



Browse Happy logo