Archive for the 'Opinião' Category

Porquê eu gosto tanto de Sonic and The Secret Rings? – Parte 2

Sonic Parte 2

Atendendo a pedidos (não, sério!), lanço a segunda parte do post passado, onde berrei que nem uma criancinha chorona que não gosto de ver as pessoas falando mal do Sonic and The Secret Rings.

Como o post passado foi inteiro disperdiçado com dedicado a um único argumento (a suposta [por mim] genialidade do level design que põe a fase contra você), e este acabou tomando proporções inimagináveis e só exprimíveis por meio de milhares de caracteres, retomo o raciocínio e apresento os argumentos menores (e menos importantes, mas ainda válidos), nesse post. E, credo, eu tenho que aprender a colocar pontos finais de vez em quando.

Bom, vamos a eles.

(Mas antes, um aviso: apesar dessa introdução estar curtinha, depois do link você vai encontrar um post múltiplas vezes maior do que o da primeira parte. É, eu sou um prolixo inveterado.)

Continue lendo ‘Porquê eu gosto tanto de Sonic and The Secret Rings? – Parte 2’

Porquê eu gosto tanto de Sonic and The Secret Rings? Uma questão de filosofia de design

Sonic and The AWESOME Secret RingsMe dói no coração sempre que eu ouço alguém falar mal do Sonic. O coitado não está mais na boa forma que costumava exibir há uns dez verões, mas nem por isso deixa de ser um ouriço esforçado. Reconheço que os últimos jogos dele passaram muito longe de poderem ser considerados meramente passáveis, tendo no exemplo maior o terrível, impensável, hediondississíssimo Sonic The Hedgehog para PS3 e Xbox 360. Tão ruim que nem conseguiram pensar num subtítulo. Por essas e outras que, apesar de me doer o coração ouvir alguém falando mal de um personagem tão bacana, eu nem posso retrucar. Eles têm razão.

Exceto quando assunto vira para Sonic and The Secret Rings[bb].

Já tive inúmeras discussões, tanto online quanto offline, no papel de defensor desse jogo. Inclusive uma delas foi com o sábio Fabio Santana, que pelo menos concordou com o meu argumento, ainda que não com a intensidade com que eu o defendia. E é simples. O maior defeito do jogo na opinião de todo mundo é o design de fases. Justamente o ponto que eu achei mais sensacional. É, aham. Eu gostei do design de fases.

Mas eu estou colocando a carroça na frente dos ouriços. Que tal clicar no link e me deixar defender a minha tese com mais calma?

Continue lendo ‘Porquê eu gosto tanto de Sonic and The Secret Rings? Uma questão de filosofia de design’

Gamers: novidade boa no “mercado” brasileiro de games

Logo da GamersPablo Miyazawa, que invariavelmente é sempre o primeiro a saber de qualquer grande notícia que envolva as palavras “games” e “Brasil” simultaneamente, deu o furo no Gamer.br esta manhã:

O Luiz Passos Paredes, ex-gerente de marketing da Microsoft para América Latina (relembre aqui), convocou a mim e outros comceituados profissionais do jornalismo para um happy hour, no qual ele revelaria “uma novidade revolucionária para o mercado de games brasileiro”. (…) Cheguei atrasado – óbvio – e a tal novidade já havia sido revelada para a meia dúzia de pessoas que ali se encontrava (três deles são meus colegas de profissão). A mais nova empreitada de Paredes chama-se Gamers, mas nada tem a ver com a revista homônima ou com a Microsoft. A Gamers é uma rede de megalojas especializadas em videogames que está chegando ao Brasil – mais especificamente na cidade de São Paulo – ainda este ano. Segundo Paredes, a Gamers será uma loja diferenciada e que deve “elevar o nível do mercado nacional”. O foco é o mercado de elite: apesar de os preços não ficarem distantes aos de outras lojas do território nacional, a diferença deve ficar por conta do atendimento de Primeiro Mundo ao consumidor.

Ao final do post (que é bem maior do que este pequeno trecho que coloquei acima), Pablo pergunta: “Enquanto isso, surgem as perguntas óbvias sobre a chegada da Gamers ao país: as coisas mudam ou não mudam? Se sim, para melhor ou pior?” E eu, aproveitando que faz um tempão que não comento no blog do colega, teço um comentário desnecessariamente grande, que reproduzo abaixo (não deixe de ler o texto do Pablo antes de ler a minha opinião, ou algumas coisas ficarão fora de contexto):

Duas empresas grandes, bem-sucedidas em seus lugares de origem, que chegam quase ao mesmo tempo e cheias de vontade de encarar o apático mercado brasileiro. Regresso não há de vir daí.

Não sei se é o caso da Synergex, mas a Gamers é uma potencial anunciante de peso para os veículos de games, por exemplo. Uma coisa que dá meio pena de ver nas revistas nacionais é a total falta dos grandes anunciantes que rolam nas revistas gringas. Aqui praticamente só tem anúncio de loja safada que vende PS2 desbloqueado na Sta Ifigênia.

E com uma loja bacana, especializada no segmento, talvez outras cadeias de varejo que já trabalham com games (como a Fnac, entre outras), possam começar a “se aprumar” e dar mais atenção a esse mercado.

Enfim… acho que a grande notícias que poderia haver pros games nesse nosso país continua sendo, mais do que a instalação de qualquer grande empresa por aqui, a reestruturação das taxas de importação sobre consoles, jogos e acessórios que entram no Brasil. É isso que o mercado precisa e é isso que o povo quer ouvir.

Mas nem por isso a Gamers deixa de ser uma grande notícia.

E repasso a pergunta a você, leitor do 16-BIT (que nunca viu tantas atualizações numa mesma semana): o que acha dessa novidade? É motivo pra comemorar ou não vale nem o esforço de clicar em “comentar”?

PS.: Dei uma pesquisada no Google agora (queria achar uma imagem ou logo para ilustrar o post) e não achei nenhuma menção à tal rede de lojas mexicana. Será que ela é tão grande quanto esse anúncio faz parecer? (Atualização: de acordo com os posts do GameBlog, onde eu achei a imagem lá de cima, é uma grande rede com 70 lojas no México e duas no Chile, onde ela começou a atuar a apenas dois meses.)

PPS.: Na verdade, quem deu o furo foram os grandes Luiz Siqueira e Nelson Alves Jr., em uma dupla de posts ontem à noite no GameBlog. Valeu pela correção, Fabão! É que a gente já é tão acostumado a ver o Pablo dando altos furos por aí…

Avante, companheiros! Zack & Wiki navega em minha direção

Boxart Zack e Wiki

Sabe que no fim das contas o atraso do Smash Bros Brawl foi uma boa? Está saindo um caminhão de jogos legais esse fim de ano pro Wii, e eu estava cego de ansiedade por ele e pelo Mario Galaxy. Já tinha decidido comprar os dois e, como dinheiro e tempo não dão em árvores na minha vida, ia ficar por isso mesmo.

Como Brawl agora só vai rolar em fevereiro, abriu-se uma vaga no meu auto-presente duplo de natal. Subitamente, jogos como Batallion Wars 2, Zack & Wiki: Quest For Barbaros’ Treasure e até mesmo The Legend of Zelda: Phantom Hourglass entraram no meu radar. Qual escolher, oh, qual escolher? Qual você escolheria?

Acho que vou ficar com Zack & Wiki. Tenho quase certeza. Nem que seja só pra poder dizer “ei, eu fiz a minha parte” quando a Capcom resolver repetir o episódio Clover, fechando um estúdio que produziu um jogo diferente e original por este não ter vendido tão bem. Zack & Wiki tem tudo pra virar cult (meio que já é), e ficar inclusive difícil de achar daqui a alguns anos.

Batallion Wars, por outro lado, parece muito legal, mas ainda não me conquistou de verdade. E Zelda, bem… É pra DS. E eu realmente quero dar para os meus Wii Remotes nesse fim de ano a oportunidade de fazer mais coisas além de rebater bolas de tênis e serem chacoalhados como loucos em microgames de poucos segundos. Sem contar que não faz nem meio ano que eu terminei um Zelda! Melhor dar um tempo até eu ter realmente vontade de controlar Link de novo.

Outro motivo: tanto Galaxy quando Zack & Wiki têm uma característica importantíssima pra mim. Ambos são jogos projetados para oferecer desafio para os experientes e facilidade para os novatos — especificamente para a novata que eu tenho lá em casa. Os dois jogos possibilitam que, enquanto o jogador principal joga, uma segunda pessoa pegue um Wii Remote extra e ajude a primeira. Mario Galaxy vai me deixar coletar estrelas para a minha namorada e lançá-las nos inimigos para facilitar o trabalho dela, enquanto Zack & Wiki vai me deixar desenhar na tela para indicar pistas importantes para a resolução dos puzzles (que prometem ser bem cabeludos).

Ah, Novembro que não chega.

E você? Que presentes gamer vai se dar nesse fim de ano?

Zack & Wiki - Screenshot

Quem quer me ver na TV? (Update: vai ficar querendo)

Logo da MTV

UPDATE: Ainda bem que eu incluí as palavras em itálico no início do post. Melou o convite, não vai mais rolar. Daqui a pouco eu apago o post, inclusive (ou não). Esse aviso é para os que recebem o feed não ficarem boiando. Fica pra próxima! 😛

Ao que tudo indica (ainda há chances de não rolar), hoje eu estarei participando do Debate MTV às 22h, ao vivo. Estou tão surpreso quanto vocês devem estar, provavelmente mais. O tema vai ser aquele clichê básico que se espera da TV aberta: “Jogar videogame demais deixa os jovens isolados?”, e eu fui convidado sabe-se lá por quê. Mas eu vou! Na pior das hipóteses, vai ser mais uma experiência ruim da qual eu vou tirar algum aprendizado. Na melhor, vai ser divertido pra caralho.

Então, se a sua TV não tiver alergia à MTV, sintoniza lá às dez da noite pra descobrir como eu sou feio.

Mais importante: algum de vocês tem algum argumento bacana em relação ao tema do debate? O que vocês diriam? Algo que diriam se encontrassem o Lobão na rua? Tentem responder, tipo, agora. Valeu!

O mundo é um lugar mais feliz: Sonic confirmado em Smash Bros. Brawl!

New Challenger Approaching! - Sonic

Eu ia incluir isso como um update no post abaixo quando percebi a burrada que ia fazer. Como assim?! Essa é a notícia que 80% dos fãs de Smash Bros estavam esperando desde que Solid Snake falou “Showtime!” com um engraçado sotaque japonês no surpreendente final do trailer que foi exibido na E3 2006! Vamos fazer de conta que você já não leu no título e repetir, só por ênfase:

Sonic The Hedgehog, o ouriço azul que corre além da velocidade do som, foi confirmado essa manhã como um dos lutadores de Super Smash Brothers Brawl! E mais: o sapato vermelho dele vai ir de encontro ao boné vermelho do Mario assim que eu pôr as mãos nesse jogo!

Sonic em Eldin Bridge

Talvez, apenas talvez, você não entenda o motivo da minha empolgação. Dê então uma boa olhada nas screenshots espalhadas pelo post. É o Sonic… em Eldin Bridge! É o Sonic… olhando feio pro Link! É o Sonic… entrando de sola do Mario! É o Sonic… pagando de B-Boy em Shadow Moses!

Sonic olhando feio pro Link

Qual é! Todo mundo tem que admitir que isso é a própria definição de “huge news”! Aquele joguinho potencialmente tosco que põe Mario e Sonic todos bonitinhos e amiguinhos pra disputar 100m rasos como se isso fosse a coisa mais normal do mundo não conta. Legal pelo contexto histórico, claro, mas seja sincero: você prefere os dois partindo para a porrada (ainda mais no hilariante e descontraído mundo de Smash Bros) ou vendo quem consegue atirar um peso em maior distância?

Quem me conhece sabe que apesar de respeitar todos os gamers e seus gostos, por mais diferentes que sejam dos meus, eu sou fã da Nintendo. Logo, seria de se esperar que eu gostasse mais do Mario do que do Sonic. Mas isso não acontece.

Primeiro, porque eu era “Seguista” na época de ouro dos 16 bits. Tinha o Mega Drive e achava ele bem melhor, apesar do SNES ter uma variedade maior de jogos. Mas o Mega Drive tinha vários que eu adorava, como ToeJam & Earl, Shadow Dancer, Road Rash… e claro, os Sonics. A verdade é que eu não conhecia direito o SNES, tanto é que, quando conheci, deixei de achar que o Mega era melhor. Afinal, ele não tinha Chrono Trigger, Yoshi’s Island, Super Metroid…

Sonic pagando de B-Boy em Shadow Moses

Mas, acima disso, eu sempre preferi o Sonic ao Mario, como personagem. Não estou falando dos jogos, porque aí sim o Mario seria campeão indiscutível na minha opinião. Os jogos do encanador são, em média, muito superiores aos do ouriço, ainda mais depois que o Dreamcast faliu. Mas como personagem, o Sonic é muito mais legal. Nos primóridos da minha pré-adolescência, quando essa tal de internet ainda era coisa nova pra mim e o hpG era a febre da molecada nerd, eu até tinha esse site chamado SonicGate (depois SonicGate Evolution), onde eu colocava artes, emuladores, roms, gifs animados, notícias e wallpapers que eu mesmo fazia no Photoshop 6. Pena que não existe mais.

Não sei… tudo no mundo do Mario é simpático, colorido, inofensivo, como um bom desenho que passa sábado de manhã (só que com mais cogumelos). Já o Sonic sempre foi mais hardcore. É difícil controlá-lo, ele exige mais dos teus reflexos. Apesar do mundo dele também ser colorido e cheio de bichinhos fofos (nenhum problema com isso), ele em si é mais bacana. Não sei explicar direito essa parte da minha preferência. O Mario é tipo um amigo que eu gostaria de ter. O Sonic (por mais bizarro que isso seja) se aproxima mais de um herói que eu queria ser.

Mas chega de papo abre-coração. O Sonic está lá, e no dia em que Super Smash Bros Brawl for lançado (a má notícia é que ele foi adiado de novo) eu te espero na WFC. Vou te acertar tão rápido que você só vai ver um borrão azul.

Sonic entrando de sola no Mario!
Não te dá um formigamento nos dedos só de ver isso?

Paixão e argumentação no Destructoid

Destructoid ama SMB2Ninguém nunca me perguntou porquê eu gosto tanto do Destructoid, mas eu acho que agora é uma boa hora pra responder isso: eu gosto porque lá eu sempre posso ser surpreendido. Ao contrário da grande maioria dos sites, onde o título da notícia é um resumo perfeito do conteúdo da mesma e muitas vezes resume-a tão bem que nem faz-se necessária a leitura do texto em si, no Destructoid um título é apenas uma isca. Pelo título você é fisgado, ou não, a ler o texto.

E mesmo se você decidir ler o texto, nunca pode ter certeza de que sabe o que estará escrito lá.

Recentemente, por exemplo, eu vi um título que dizia mais ou menos isso: “Executivo da Nintendo sugere que Miyamoto pudesse estar em depressão ao criar Super Mario Bros. 2 (The Lost Levels)“. Preparado para ler um texto que contivesse uma citação da declaração do tal executivo acompanhada de uns dois ou três pequenos parágrafos da opinião do redator, eu me surpreendi, e muito, ao encontrar uma verdadeira carta de amor a um jogo esquecido e injustiçado.

Tristero, o redator em questão, não se contenta em discordar da opinião do tal executivo (que, por sinal, meramente especulou que Shiggy pudesse estar, talvez, um pouquinho deprê no período em questão). Além de simplesmente discordar, ele desembesta por mais de 20 longos mas fascinantes parágrafos de argumentação apaixonada, em busca de provar um único ponto: Miyamoto não apenas não estava depressivo, como estava em sua melhor forma criativa.

Desfilando por uma série de exemplos, e escrevendo com uma paixão que faz falta a 95% dos jornalistas de games (não apenas de games, mas de entretenimento em geral), Tristero não quer necessariamente mudar a sua opinião sobre o jogo. Se você não gostou, achou muito difícil, ou se recusa a acreditar que o ápice da genialidade de Miyamoto não ocorreu em Super Mario 64 ou The Legend of Zelda: Ocarina of Time, tudo bem. Tudo que ele quer é expressar a própria opinião, e por mais narcisista/egoísta que isso pareça, na verdade quem ganha somos nós.

Deixo abaixo alguns pequenos trechos traduzidos e uso este pequeno último parágrafo para manifestar a minha opinião sobre o assunto: clique aqui e leia o texto do cara. Leia e reflita. O jornalismo de games brasileiro precisa muito de textos assim. Não sei se consigo, mas vou tentar.

smb2-absynth.jpg

Continue lendo ‘Paixão e argumentação no Destructoid’


Fabio Bracht's Facebook profile

Meus Outros Blogs

Add to Technorati Favorites



Browse Happy logo