Archive for the 'Túnel do Tempo' Category

Vendo Pokémon Diamond e Zelda Twilight Princess (ou: O maior anúncio de classificados que você já viu)

Vendo estas duas magn�ficas experiências interativas
Aí está. Estou vendendo estes dois maravilhosos jogos. Ambos vão a R$100,00. Se achar que está caro, me mostre alguém vendendo por menos que a gente pode negociar.

Aceito trocas por outros jogos de DS, de Wii ou por clássicos do GameCube.

E lembre-se: não são apenas jogos. Tratam-se de experiências interativas eletroeletrônicas capazes de mudar a sua vida para melhor. Conjuntos de horas de entretenimento sublime e inesquecível. Possibilidades infinitas de relacionamento e estreitamento de laços entre amigos ou talvez até família. Diversão pura em formato de software.

Mas… se são tão bons assim, por que eu estou vendendo, então? Bom, dois jogos, dois motivos. E você vai ter que clicar no link a seguir para ler a história completa.

Continue lendo ‘Vendo Pokémon Diamond e Zelda Twilight Princess (ou: O maior anúncio de classificados que você já viu)’

O mundo é um lugar mais feliz: Sonic confirmado em Smash Bros. Brawl!

New Challenger Approaching! - Sonic

Eu ia incluir isso como um update no post abaixo quando percebi a burrada que ia fazer. Como assim?! Essa é a notícia que 80% dos fãs de Smash Bros estavam esperando desde que Solid Snake falou “Showtime!” com um engraçado sotaque japonês no surpreendente final do trailer que foi exibido na E3 2006! Vamos fazer de conta que você já não leu no título e repetir, só por ênfase:

Sonic The Hedgehog, o ouriço azul que corre além da velocidade do som, foi confirmado essa manhã como um dos lutadores de Super Smash Brothers Brawl! E mais: o sapato vermelho dele vai ir de encontro ao boné vermelho do Mario assim que eu pôr as mãos nesse jogo!

Sonic em Eldin Bridge

Talvez, apenas talvez, você não entenda o motivo da minha empolgação. Dê então uma boa olhada nas screenshots espalhadas pelo post. É o Sonic… em Eldin Bridge! É o Sonic… olhando feio pro Link! É o Sonic… entrando de sola do Mario! É o Sonic… pagando de B-Boy em Shadow Moses!

Sonic olhando feio pro Link

Qual é! Todo mundo tem que admitir que isso é a própria definição de “huge news”! Aquele joguinho potencialmente tosco que põe Mario e Sonic todos bonitinhos e amiguinhos pra disputar 100m rasos como se isso fosse a coisa mais normal do mundo não conta. Legal pelo contexto histórico, claro, mas seja sincero: você prefere os dois partindo para a porrada (ainda mais no hilariante e descontraído mundo de Smash Bros) ou vendo quem consegue atirar um peso em maior distância?

Quem me conhece sabe que apesar de respeitar todos os gamers e seus gostos, por mais diferentes que sejam dos meus, eu sou fã da Nintendo. Logo, seria de se esperar que eu gostasse mais do Mario do que do Sonic. Mas isso não acontece.

Primeiro, porque eu era “Seguista” na época de ouro dos 16 bits. Tinha o Mega Drive e achava ele bem melhor, apesar do SNES ter uma variedade maior de jogos. Mas o Mega Drive tinha vários que eu adorava, como ToeJam & Earl, Shadow Dancer, Road Rash… e claro, os Sonics. A verdade é que eu não conhecia direito o SNES, tanto é que, quando conheci, deixei de achar que o Mega era melhor. Afinal, ele não tinha Chrono Trigger, Yoshi’s Island, Super Metroid…

Sonic pagando de B-Boy em Shadow Moses

Mas, acima disso, eu sempre preferi o Sonic ao Mario, como personagem. Não estou falando dos jogos, porque aí sim o Mario seria campeão indiscutível na minha opinião. Os jogos do encanador são, em média, muito superiores aos do ouriço, ainda mais depois que o Dreamcast faliu. Mas como personagem, o Sonic é muito mais legal. Nos primóridos da minha pré-adolescência, quando essa tal de internet ainda era coisa nova pra mim e o hpG era a febre da molecada nerd, eu até tinha esse site chamado SonicGate (depois SonicGate Evolution), onde eu colocava artes, emuladores, roms, gifs animados, notícias e wallpapers que eu mesmo fazia no Photoshop 6. Pena que não existe mais.

Não sei… tudo no mundo do Mario é simpático, colorido, inofensivo, como um bom desenho que passa sábado de manhã (só que com mais cogumelos). Já o Sonic sempre foi mais hardcore. É difícil controlá-lo, ele exige mais dos teus reflexos. Apesar do mundo dele também ser colorido e cheio de bichinhos fofos (nenhum problema com isso), ele em si é mais bacana. Não sei explicar direito essa parte da minha preferência. O Mario é tipo um amigo que eu gostaria de ter. O Sonic (por mais bizarro que isso seja) se aproxima mais de um herói que eu queria ser.

Mas chega de papo abre-coração. O Sonic está lá, e no dia em que Super Smash Bros Brawl for lançado (a má notícia é que ele foi adiado de novo) eu te espero na WFC. Vou te acertar tão rápido que você só vai ver um borrão azul.

Sonic entrando de sola no Mario!
Não te dá um formigamento nos dedos só de ver isso?

Paixão e argumentação no Destructoid

Destructoid ama SMB2Ninguém nunca me perguntou porquê eu gosto tanto do Destructoid, mas eu acho que agora é uma boa hora pra responder isso: eu gosto porque lá eu sempre posso ser surpreendido. Ao contrário da grande maioria dos sites, onde o título da notícia é um resumo perfeito do conteúdo da mesma e muitas vezes resume-a tão bem que nem faz-se necessária a leitura do texto em si, no Destructoid um título é apenas uma isca. Pelo título você é fisgado, ou não, a ler o texto.

E mesmo se você decidir ler o texto, nunca pode ter certeza de que sabe o que estará escrito lá.

Recentemente, por exemplo, eu vi um título que dizia mais ou menos isso: “Executivo da Nintendo sugere que Miyamoto pudesse estar em depressão ao criar Super Mario Bros. 2 (The Lost Levels)“. Preparado para ler um texto que contivesse uma citação da declaração do tal executivo acompanhada de uns dois ou três pequenos parágrafos da opinião do redator, eu me surpreendi, e muito, ao encontrar uma verdadeira carta de amor a um jogo esquecido e injustiçado.

Tristero, o redator em questão, não se contenta em discordar da opinião do tal executivo (que, por sinal, meramente especulou que Shiggy pudesse estar, talvez, um pouquinho deprê no período em questão). Além de simplesmente discordar, ele desembesta por mais de 20 longos mas fascinantes parágrafos de argumentação apaixonada, em busca de provar um único ponto: Miyamoto não apenas não estava depressivo, como estava em sua melhor forma criativa.

Desfilando por uma série de exemplos, e escrevendo com uma paixão que faz falta a 95% dos jornalistas de games (não apenas de games, mas de entretenimento em geral), Tristero não quer necessariamente mudar a sua opinião sobre o jogo. Se você não gostou, achou muito difícil, ou se recusa a acreditar que o ápice da genialidade de Miyamoto não ocorreu em Super Mario 64 ou The Legend of Zelda: Ocarina of Time, tudo bem. Tudo que ele quer é expressar a própria opinião, e por mais narcisista/egoísta que isso pareça, na verdade quem ganha somos nós.

Deixo abaixo alguns pequenos trechos traduzidos e uso este pequeno último parágrafo para manifestar a minha opinião sobre o assunto: clique aqui e leia o texto do cara. Leia e reflita. O jornalismo de games brasileiro precisa muito de textos assim. Não sei se consigo, mas vou tentar.

smb2-absynth.jpg

Continue lendo ‘Paixão e argumentação no Destructoid’

EssevídeomeconvenceuajogarPsychonauts

Zero Punctuation!Psychonauts é um daqueles jogos que, se tu jogou, tu pode tranquilamente apontar pra cara das pessoas que não jogaram e dizer “você não é nada“. Ou pelo menos é que parece, pelo que eu leio na internet. Além disso, Psychonauts também é um daqueles jogos que eu já tinha me convencido de que não ia jogar, por uma série de motivos.

Tá bom, são só dois.

O primeiro deles é bastante babaca, e eu sou o primeiro a admitir. Eu simplesmente perdi o tesão por jogos de PS2. Há um ano atrás, quando as primeiras pessoas da mídia estavam fazendo seus hands-ons a portas fechadas, testando Wii Sports e Red Steel, e a grande dúvida era se o tal controle sensível a movimento era bom mesmo, eu li em várias ocasiões diferentes a seguinte frase: “depois de jogar com o controle do Wii, voltar para o método tradicional de alguma forma parece errado, estranho”. Achei que fosse um pouco de exagero, mas é exatamente o que eu sinto atualmente. Quando eu jogo com o DualShock parece que está faltando alguma coisa, sei lá. O engraçado é que isso não acontece com o controle do Xbox 360… Vai entender.

O segundo é mais dimples: porque a fila tá grande pra cacete.

Fila

Antes que comecem a questionar a presença de vários jogos ainda não lançados, eu explico: quando eu finalmente terminar Metroid Prime 3, provavelmente todos os outros já vão estar velhos nas prateleiras. E eu ainda não vou ter arrecadado dinheiro suficiente nem pra comprar uma das baquetas do Rock Band.

Mas voltando Psychonauts, hoje eu vi esse vídeo do The Escapist, de uma “coluna” (na verdade é um videocast) chamado “Zero Punctuation”. A princípio eu não entendi bem o nome. “Ora, Pontuação Zero é porque os jogos levam nota zero?” Mas quando vocês assistirem vocês vão entender. O “punctuation” do nome se refere à pontuação frasal, tipo vírgulas. E o “zero” se refere ao fato de que o cara que apresenta o vídeo não usa as tais vírgula! Ele fala super rápido, e ainda com sotaque britânico/australiano.

Mas não deixe que isso o impeça de assistir. Graças à edição e às imagens, dá pra rir de montão, mesmo sem entender muito do que ele diz. Fora que, graças a esse vídeo, eu decidi que eu vou mesmo ignorar tudo e jogar o Psychonauts.

Ah, se vou. Provavelmente entre o Kingdom Hearts 2 e o Mario Galaxy.

A Eterna Guerra dos Consoles

Dê uma lida no email abaixo, enviado para a EGM:

TODOS POR UM
Eu mantenho minha boca fechada a maior parte do tempo. Não reclamo dos nomes dos novos episódios de Star Wars, nem que o Solid Snake tem mullets. Mas tem coisas que não dá pra deixar passar. Eu tenho que me desfazer de várias centenas de dólares toda vez que um novo console sai, só por causa dessa compulsão que eu tenho. Eu estou empolgadaço com algum console next-gen em particular? Não. Eu tenho grana pra comprar qualquer um deles? Não MESMO. Mas eu sei que vou acabar passando a noite do lado de fora da Electronics Boutique para comprá-los no dia do lançamento.
Algumas pessoas recitam suas opiniões nos fóruns ou umas para as outras: “O Console A* vai detonar!” ou “Ninguém acredita no Console B!”. Não importa o quanto eles pareçam gostar de um deles, todos sabem que, se tivessem a grana, comprariam todos os três consoles do mercado. A galera passa o tempo todo diminuindo um console em favor de outro, mas eu acredito que a maioria dos gamers ficaria feliz com qualquer console no qual eles conseguissem colocar suas mãos ensebadas. Então por que começar a falar mal daquele que você não vai comprar agora? Você pode acabar comprando esse também, um dia. Quando o dia do lançamento dos novos consoles chegar, não vai ter nada a ver com especificações técnicas ou lealdade à marca. Só vai ter a ver com um monte de hardware e software matador para todos os gamers.

Will Herring
j_koei@coldmail.com

A carta foi publicada na EGM sim, mas a gringa. Há quase 5 anos atrás, em janeiro de 2002. Não parece, né?

Não posso dizer que trabalhar na Futuro é um completo mar de rosas o tempo todo, mas com certeza tem algumas coisas que são muito legais. E uma delas é a estante com praticamente todas as Electronic Gaming Monthly que já foram publicadas. E ontem calhou de eu catar a edição de Janeiro de 2002 para ler no metrô, na volta para casa. É impressionante perceber como a “vibe” de época de lançamento de consoles é sempre igual, não importa de qual geração estamos falando.

Eu não me lembro de como era na época do lançamento do SNES e do Mega Drive, mas não me surpreenderia nem um pouco se me dissessem que os “seguistas” atacavam os “nintendistas”, que atacavam de volta e vice-versa. Dá até pra imaginar alguns falando “ahá, mas no teu videogame não vai ter Phantasy Star!” e outros respondendo “quem precisa de Phantasy Star quando se tem Mario e Zelda?”, só para serem rebatidos com “mas você viu a velocidade do Sonic? O teu videogame não faz isso nem f*dendo!”. Eu diria que esses “arranca-rabos de lançamento” são justamente uma das coisas que fazem esse mundo dos games ser tão cativante.

O que nos leva de volta ao email do nosso amigo Herring. Ele serviu pra eu ver (ou relembrar) como as situações nunca mudam, só mudam os nomes. No texto original, o “Console A” era o GameCube e o “Console B” era o Xbox. Essa informação foi omitida, obviamente, por que era o único trecho que poderia denunciar que o texto não é atual. E como ele realmente se encaixa de forma perfeita no que vivemos hoje em dia! Basta trocar “Console A” por Wii e “Console B” por PlayStation 3 e essa carta poderia, facilmente, ser publicada na revista do mês que vem.

Portanto, quando você se incomodar com as infindáveis discussões em fóruns, lembre-se: sempre foi assim. E prepare-se, porque daqui a 5 anos (ou sabe-se lá quantos) vai ser igualzinho.


Fabio Bracht's Facebook profile

Meus Outros Blogs

Add to Technorati Favorites



Browse Happy logo